Negocio de Familia

O negocio começou a mais ou menos uns 60 anos, com minha avó. Na época todos a chamaram de louca por vender a enorme fazenda que ela havia herdado do pai para montar esta funerária, mas ela costumava retrucar que não podia depender do mercado do café tendo que criar três filhos sozinha, e, nessa hora ela costumava abrir um sorriso sinistro, clientes nunca faltavam para este ramo. Isso é o que ela costumava contar, pelo menos. Um dia meu pai me contou que ela, em seus últimos suspiros, confessou que fez isso para ter meu avô sempre por perto. Engraçado como no fim estamos todos vivendo no legado dele.

Aqui tem uma foto dela na época da inauguração, ao lado do crematório. Foi o primeiro do país, sabia?

Meu pai foi o herdeiro depois que ela morreu, mesmo sendo o filho mais novo. Não que os outros dois não tivessem gosto pelo negocio. O problema era justamente o contrario. O tio Jonas, o mais velho, era um verdadeiro artista. Conseguia maquiar os clientes de um jeito que parecia que estava apenas dormindo. Eu mesmo vi um ou dois que ficaram até mais bonitos do que quando eram vivos. Muita gente vinha de longe e pagava caro pelos serviços dele, até mesmo ignorando os rumores que as línguas maldosas espalhavam. Meu pai me contou que o tio Jonas sempre repetia que jamais havia feito nada a nenhuma delas que elas não quisessem. A família conseguia manter a situação abafada até aparecer a prima Ligia. Tem gente que considera o nascimento dela um milagre, outros um ato do diabo, até mesmo um sinal do apocalipse. Eu lembro bem daquela noite e pelo menos o cenário dava algum credito a teoria apocalíptica. Chuva pesada, raios e trovões, parecia aquela cena do Frankenstein, aquele com o Bela Lugosi. Depois do nascimento o tio Jonas foi ficando mais retraído, nem mesmo ia para o estúdio. Depois de um tempo ele sumiu e ninguém nunca pode explicar o porquê. Ligia quando fala disso simplesmente da os ombros e diz que “A mamãe sentiu saudades.”.

Quanto ao tio Lucio eu prefiro te poupar dos detalhes. Esse problema resolvemos em família, como tinha de ser. As vezes, nas noites mais tranqüilas, podemos ouvir uns gritos abafados vindos da ala norte, onde enterramos ele.

Desse modo o negocio ficou com meu pai e depois que ele morreu passou para mim. A prima Ligia anda sempre por perto. Ela foi criada pelos meus pais, mas sempre foi mais ou menos como uma gata vadia, aparecendo só quando da na telha e sumindo sem avisar. Minha mãe passou a vida toda tentando colocar algum juízo na cabeça dela, mas sem muito sucesso. Quando ela está por perto costuma assustar as pessoas com seus olhares profundos e avisos repentinos. Não sei bem o quanto disso que ela faz é serio e o quanto é brincadeira, mas em ambos os casos não se poderia esperar nada diferente de alguém que sempre esteve mais do lado de lá do que de cá.

E essa é a historia do nosso negocio e é o que você precisa ouvir no seu primeiro dia aqui. Talvez seu bisavô tenha algo mais para te contar e se ele te encontrar ouça atentamente tudo que ele te dizer.

No fim nós estamos vivendo o legado dele.